Nós Somos

A Cia. de Teatro Tumulto, formada por atores da Cidade de Deus e de outras comunidades do Rio de Janeiro está ligada diretamente à CUFA , sob direção geral de Anderson Quak e Liz Oliveira.
Tem como objetivo primordial ofertar novas telas e óticas para o teatro brasileiro. Reforçar os laços de cultura com a população de acesso restrito. Como lema, os atores adotaram a máxima:
Tumultuar. Contrariar o óbvio. Impressionar. Desconcertar. Mexer com quem está quieto.”
São produções de qualidade, propostas inovadoras, num teatro comunitário ousado e uma arte comprometida com as questões do homem contemporâneo.
O núcleo de dramaturgia se prolifera a cada movimento distinto em classes especializadas para jovens e crianças.
Promove o intercâmbio cultural, por meio de mesas de relacionamentos, debates, encontros artísticos e governamentais, e marca sua presença na inserção sócio-cultural.
Conquistou o apoio cultural de representantes do teatro brasileiro, como Lázaro Ramos, Maria Padilha, Babu Santana, Mariana Ximenes, Guida Viana, Thais Araújo, Tereza Gonzalez e muitos outros tumultuadores.
A inserção de parcerias, apoios e patrocínios, por partes privadas ou governamentais, contribuirão para a expansão e profissionalização teatral, com efeito multiplicador comunitário.
Mundo afora, a Cia de Teatro Tumulto recebe o apoio da Secretaria da Cultura do Governo do Estado.

Capítulos Artísticos

· Prazer em Família

· Paranóia Carioca
· Carroça da História
· Paparutas
. Navio Negreiro
· A Nóia da Paranóia
· Papo Calcinha

. Burgues da Lata

quarta-feira, julho 14, 2010

QUAK FALA SOBRE O CINE CUFA.


CINECUFA por Anderson Quak*

Um artista tem por finalidade completar o ciclo de sua obra. No caso do cinema o ciclo se completa quando o autor faz chegar sua obra ao público, não importando o tamanho de ambos, assim é com todas as artes. A sétima arte tem privilégios que outras artes não têm em termos de mídia.
No CINECUFA nos vemos, nos espelhamos, temos voz e vez, além de vislumbrarmos novos caminhos e festivais apontados pelo próprio festival através dos seus debates que mescla o tempo todo morro e asfalto, favela e condomínio, acadêmicos e autodidatas e assim seguem-se várias horas de debates calorosos sobre o Brasil e sobre o mundo, dando oportunidade àqueles que nunca acreditaram que poderiam estar dos dois lados da tela, ora filmando ora sendo filmado, como aconteceu comigo na ocasião em que fui convidado pelo RJ TV junto com Faustini (Marcus Vinícius – cineasta e diretor teatral), hoje secretário de cultura de Nova Iguaçu, eu como curador e ele como cineasta que participava daquela edição do festival, ali falamos sobre a importância do festival e demos o serviço convidando a todos a comparecerem as salas de cinema do CCBB. No ano seguinte já eram outras pessoas a botarem a cara, a fila literalmente já havia andado e o que fica de lição é que o CINECUFA também "prepara" para o mundo de certo modo, se pensarmos que vários dos cineastas que atualmente foram para Cannes participaram do CINECUFA em outros anos e inclusive esse ano voltam na condição de palestrantes para passar um pouco dessas experiências do mercado audiovisual, porque o CINECUFA é isso também, é escola! Não somente porque professores como José Carlos Avelar, Ivana Bentes e outros já participaram dos debates, mas também porque o mercado está muito presente no CINECUFA com Paula Lavigne, Luis Erlanger e Adriana Rattes, todos eles sempre misturados com os cineastas das favelas, Bender Arruda, Gustavo Melo, Juliana Baraúna e, isso fortalece o cinema nacional.
É por essas e outras que eu estarei lá de 24 de agosto a 5 de setembro. Quer mais motivos: debate com Luiz Antonio Pilar, diretor da TV Globo, toda a turma do Cinco Vezes Favela, incluindo o Mestre Cacá, MV Bill e Rodrigo Pimentel, mas ele não vai como Capitão Nascimento não, vai como documentarista para falar sobre os limites do documentário e eu vou estar lá para mediar esse debate. Convites para ir ao cinema UCI, homenagem ao Zózimo Bulbul, novela boliviana e muito mais......
Não percam quando as luzes se apagarem, é porque o show vai começar.

* Quak é curador do CINECUFA e diretor da companhia de teatro Tumulto.

Um comentário:

Renata Maria Bernardo disse...

Ola Quak!! Me chamo Renata Maria moro em Niterói e gostaria de saber como participar da cia de teatro,sei que é destante e tal...mas é que aqui en Niterói vivemos um dilema que é o OSSIO e democracia cultural para as pessoas que moram em lugar carente como eu,na verdade eu e mais uma amiga estamos desenvolvendo um mtrabalho em nossa comunidade,mais ainda estamos engatinhando,mais esta tudo fluindo!! A mudança tem que ser feita de dentro para fora não é mesmo?? tenho pesquisado muito sobre o projeto da cufa e me indentifico com a proposta e os resultados gostaria de fazer parte dessa família,e transforma os excluidos e incluidos,espero um contato seu.
Fortalecendo a Corrente para um mundo melhor!!PAZ!