Nós Somos

A Cia. de Teatro Tumulto, formada por atores da Cidade de Deus e de outras comunidades do Rio de Janeiro está ligada diretamente à CUFA , sob direção geral de Anderson Quak e Liz Oliveira.
Tem como objetivo primordial ofertar novas telas e óticas para o teatro brasileiro. Reforçar os laços de cultura com a população de acesso restrito. Como lema, os atores adotaram a máxima:
Tumultuar. Contrariar o óbvio. Impressionar. Desconcertar. Mexer com quem está quieto.”
São produções de qualidade, propostas inovadoras, num teatro comunitário ousado e uma arte comprometida com as questões do homem contemporâneo.
O núcleo de dramaturgia se prolifera a cada movimento distinto em classes especializadas para jovens e crianças.
Promove o intercâmbio cultural, por meio de mesas de relacionamentos, debates, encontros artísticos e governamentais, e marca sua presença na inserção sócio-cultural.
Conquistou o apoio cultural de representantes do teatro brasileiro, como Lázaro Ramos, Maria Padilha, Babu Santana, Mariana Ximenes, Guida Viana, Thais Araújo, Tereza Gonzalez e muitos outros tumultuadores.
A inserção de parcerias, apoios e patrocínios, por partes privadas ou governamentais, contribuirão para a expansão e profissionalização teatral, com efeito multiplicador comunitário.
Mundo afora, a Cia de Teatro Tumulto recebe o apoio da Secretaria da Cultura do Governo do Estado.

Capítulos Artísticos

· Prazer em Família

· Paranóia Carioca
· Carroça da História
· Paparutas
. Navio Negreiro
· A Nóia da Paranóia
· Papo Calcinha

. Burgues da Lata

quinta-feira, julho 03, 2008

A apresentação da Cia de Teatro Tumulto na LIBBRA - viaduto de Madureira




No Sábado ( 14/06), a cia de Teatro fez uma participação pra lá de especial na LIBBRA. Os torcedores que participavam do campeonato da liga Brasileira de Basquete de rua, embaixo do Viaduto Negrão de Lima em Madureira, tiveram uma surpresa em um dos intervalos dos jogos. Além de poder varias sua atenção para as apresentações de break, skate e grafite, os torcedores e organizadores da LIBBRA puderam contar dessa vez com performace da Cia. de Teatro Tumulto, que promoveu uma intervenção com a esquete Bem-me-quer.
Um fato interessante é que a história, que supostamente se passa nos anos 20, é contada através de ações sem palavras, ou seja, teatro-mudo, exatamente como os filmes daquela época. Com bom humor, clareza na mensagem e estilo clown, o grupo exibiu a história de uma jovem instável e egoísta, que trata seus relacionamentos amorosos de maneira superficial e volúvel, gerando brigas e desilusões entre os outros personagens. No final, após o inevitável final feliz dos coadjuvantes, a protagonista recebe uma lição de vida e termina sozinha cortando as pétalas de uma flor, o antigo " bem-me-quer, mal-me-quer" como o título da esquete sugere.

Thiago Ramos

Um comentário:

lutieni disse...

A apresentação foi maravilhosa e surpreendente. Todos ficaram super ligados na esquete e no maior silêncio. Foi lindo!!
Thiago tá arrebentando nos textos.